Lygia Fagundes Telles – Meus Contos Preferidos


Não há dúvidas de que a senhora Lygia Fagundes Telles é, talvez, uma das escritoras mais originais do Brasil que ainda respiram. E nesse sentido, acho legal as faculdades que colocam livros dessa simpática e perturbada vovó na lista das obras obrigatórias para o vestibular. Em meio à tantos floreios parnasianos da literatura hã… clássica brasileira, as verdadeiras odisséias na maionese dos contos de Telles são um oásis em meio a um strokes. Peraí que não gosto nem de oásis nem de strokes. Digamos então que é como um dead kennedys em meio a um monte de parangolés. Quem a vê, com aquela cara de quem é da turma de oração da minha vó nunca imagina que Lygia escreve coisas como um gato que quer transar com um quadro (ou algo assim).

É um fato também de que a escritora é muito mais reconhecida por seus contos do que por seus romances, e isso, camaradinhas, é honra pra qualquer um que escreve contos. Considerado um gênero menor, o conto é aquela coisa que as editoras “suportam” enquanto um romance novo não aparece (há uns tempos atrás teve um G ideias bem legal sobre isso, busquem lá). E Lygia Fagundes Telles escreveu romances, meus amigos, romances reconhecidamente bons inclusive, como As Meninas (bom xi bom xi bom bom bom) e Ciranda de Pedra, que virou novelinha da Globo. Mas é realmente no conto que ela prova a que veio. Com poucas (bom, às vezes muitas) páginas, ela consegue montar verdadeiras tensões, angústias e qualquer outra coisa que ela queira porque ela é FODA!

E tudo isso pra falar de sua antologia pessoal, intitulada Meus Contos Preferidos. Acho que preferidos não só da autora mas também da torcida do Flamengo. O livro é só história boa, e são muitas: Tem aqueles Venha Ver o Pôr do Sol e As Formigas, ambas de arrepiar os cabelos do cu, WM e Pomba Enamorada, sobre gente louca (sempre um bom tema), Verde Lagarto Amarelo, um conto que parece muito a história dos irmãos Ivan e Sério Sant’Anna (oooopa, peguei na ferida, hein?) e tantos outros… Eu particularmente, gosto muito do conto O Moço do Saxofone. Ri pra cacete lendo a história de um saxofonista corno que mora na pensãozinha onde sua mulher roda mais que pião maluco. E claro, não podemos deixar de esquecer de A Presença, o conto que todo mundo lê e fala “caralho, quem me dera escrever uma coisa dessas…”.

Em se tratando de uma antologia, na qual os contos estão ligados não por um fio de coerência ou temática, mas apenas por laços afetivos, é muito difícil comentar sobre esse livro como um todo. O que dá pra dizer que os contos favoritos são todos loucos, ah, isso dá! E que a edição da editora Rocco ficou excelente, não fosse o maldito filho da puta papel offset. Quando é que vocês vão parar com isso, gente? Parece que a bola agora está com a Companhia das Letras, que está lançando uma coleção bem menininha dos livros da escritora, mas, como este ainda não foi pra lá, tratemos da Rocco mesmo. Tem um cabeço meio escroto, mas a fonte, com os títulos em itálico, quase compensam a falta de tato na escolha do papel (e não venha dizer que é muito mais caro botar papel pólen soft quando um livro é vendido por 45 reais). A capa é bem simples, mas muito legal, tanto que faz par com a outra antologia da escritora, Meus Contos Esquecidos, com cinta dourada. Meu último comentário é uma pequena crítica sobre a qualidade da cola para fazer a encadernação de brochura: a capa soltou do miolo em pouco tempo de uso. E olha que cuido benzão dos meus livros. Puta falta de sacanagem!

Comentário final: 318 pesadas páginas em offset. Vai ficar difícil expressar seus sentimentos com a mandíbula partida em três lugares (Ética e Política da Amizade).

Anúncios

16 Respostas para “Lygia Fagundes Telles – Meus Contos Preferidos

  1. To quase emocionado: finalmente um livro que eu li! Rá!
    O que me levou a melmbrar minhas impressões sobre os contos. E lendo
    o que o senhor diz, durante a leitura, acredito que hoje ele mereceria uma releitura.
    Sabe como é né, depois de tanto tempo a gente (com E de leitE quentE) vai ficando mais sensível né…
    *Porém eu não gosto de Oásis, nem Strokes, nem dead Kennedys.

    • Apesar de seu gosto musical altamente duvidoso, eu fico feliz que você pense em reler este livro, Maurício. Realmente vale a pena! E claro, divida conosco suas impressões sobre ele.
      Abraço!

  2. Eu sou fã da Lygia Fagundes Telles. Fato. Para mim, é a melhor escritora viva do Brasil.
    O que ela fez neste país com o seu realismo fantástico é digno de Nobel – e se um brasileiro for ganhar, será ela. É a que merece.

    Meu conto favorito na vida é WM.

    Que bom vê-la aqui no Livrada!

  3. Sou absolutamente viciada na Lygia, acho ela simplismente incrivel. Meu favorito é A Sauna e O Menino e WM, e sei lá acho que todos. Adorei a sua descrição ela escreve como um gato que quer transar com um quadro. A sensação que tenho é que seus personagens são egoistas e tem algo no passado que os incomoda. Enfim Nobel pra Lygia que ela é FODA! PS: Encontrei seu blog hoje e estou amando, só que uso apenas Net do celular o que é uma merda. Acho que assim você terá uma noção do quanto gostei. Ah se você puder escreva sobre a Clarice Lispector, ela também é incrivel. Adorei o post sobre Crime e Castigo, estava afim de ler O Vermelho e o Negro mas vou ficar com Lolita. Bjus Maria

    • Oi Maria, que bom que gostou do blog. Passe sempre que quiser!
      Veja, não disse que ela escreve como se fosse um gato querendo transar com um quadro, mas, agora que você falou, ficou uma frase ambígua mesmo. Tava descrevendo um dos contos dela (não lembro qual), foi isso. 🙂
      Vou ver se escrevo sobre a Clarice qualquer hora, pode deixar!
      Beijo!

  4. Fantástico esse blog.Terminei minha monografia do curso de Letras recentemente. Escrevi sobre o intimismo no conto A Estrutura da Bolha de Sabão. Lygia é mesmo o Ó. Fabulosa/

  5. Acho que a particularidade no jeito como Telles escreve é o que me encanta. Estou amando muito o Seminario dos Ratos, que tem alguns contos que você mencionou nesse post como WM, As Formigas e Pomba Enamorada. Gosto bastante dos contos de mistério e de loucura. A Sauna também chamou bastante minha atenção. Quando atingir a maioridade vou tatuar um WM em algum lugar do corpo rsrsrs. Gostei muito do post aliás. Mesmo não concordando musicalmente com você, pois sou fã do strokes. Mas está certo sobre dead kennedys e parangolé rsrsr.

  6. Caramba, adoro Lygia e estava atrás desse livro pra comprar. Já tinha lido, ainda na escola, mas agora quero pra mim. Haha, meu conto favorito de todos os tempos é ‘As cerejas’, mas também adoro ‘O Jardim Selvagem’, ‘As formigas’, ou seja, eu adoro tudo que a Lygia já escreveu. Gostei demais do seu texto, beeeeeeeeem descontraído. WM. haha

  7. Pingback: Lygia Fagundes Telles ou A Arte da Surdina | trajes lunares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s