Saul Bellow – Henderson, o rei da chuva (Henderson, the rain king)


Henderson, o rei da chuvaE aí, meu povo. Olha, antes de mais nada, queria agradecer de coração ao pessoal que divulgou o blog no twitter, no orkut, em seus blogs pessoais, verbalmente, enfim, a galera que se esforçou para dividir com os outros esse gostinho amargo de ler esse blog zoadão. Reforço o pedido: continuem divulgando e aumentando a comunidade de leitores aqui desta bagacinha. Quem sabe um dia a parada cresce mesmo, e aí vocês vão dizer “eu *cof cof* era leitor desse blog há muuuito tempo, meu netinho… na época esse Yuri era um sujeito legal, não era esse esnobe metido a besta que é hoje…”.

Mas, vamos aos trabalhos. Henderson, o rei da chuva! Fala sério, o sujeito que não fica um tiquinho curioso para ler um livro com esse título é um frio desalmado do caraças. A genialidade do escritor canadense radicado nos Estados Unidos filho de judeus russos (depois brasileiro que é tudo mexido) começa no título, e foi pelo título que esse cara me fisgou. Ganhei esse livro de dia dos namorados (que foi? Não me diga que ganhou uma Jabulani!?) da Carlinha e li ele durante esse mês inteiro, só me arrastando na leitura. É amigos, não tenho mais o viço de ler trocentos livros, mas tudo bem.

E aqui vou contar um pouco do livro. Não é spoiler, mas conto algumas coisas do livro, portanto, se quiser passar, te vejo no próximo parágrafo. Pois bem. A história fala de um tal Eugene Henderson, milionário, fanfarrão, sexagenário, veterano de guerra que, após uma vida conturbada quase que unicamente pelo seu temperamento instável, resolve se mandar para o… eu ia dizer coração da áfrica, mas o lugar pra onde ele foi tá mais perto de ser o cu do continente. Ele se mete num buraco esquecido pelo mundo e conhece duas tribos: os Arnewi, amistosos e simpáticos, porém muito coitadinhos, e os Wariri, arredios e excêntricos, porém com um rei extremamente cativante. Os Wariri tem um ritual muito interessante: o rei Dahfu, com dezenas de esposas, deve sempre dar no couro, caso contrário suas donas-encrenca denunciam ele para uma figura chamada bunam, que o leva para a floresta e o estrangula. O ritual de passagem para o próximo rei é que é interessante, e envolve a captura de um leão. Os Wariris são bastante crentes nos poderes do leão, e aí só lendo mesmo pra saber do que eu estou falando, porque estragar as surpresas mais do que eu já estou estragando aqui é muita sacanagem.

Nesse universo esquisitão, Henderson tenta preencher o vazio de sua alma, seu sentimento de inadequação em relação à vida, o seu “grun-tu-molani”, expressão Arnewi do livro dificílima de explicar (vale um mestrado aí, filósofos de plantão), a grosso modo quer dizer “homem quer viver”, o sujeito do eterno vir a ser. Com o rei dos Wariri, Henderson discute essa sua condição em diálogos profundos porém não maçantes. Esse é outro ponto forte do livro: ele é denso sem ser chato. Muito pelo contrário. Com doses certas de ação e suspense, o livro é extremamente emocionante, daqueles que você custa a largar. Sem sacanagem, um dos melhores que eu já li.

Saul BellowEventualmente a gente se depara, na literatura, com personagens tão perfeitos, tão bem construídos, que você custa a acreditar que é tudo inventado. É assim com o tragicômico Henderson, o rei da chuva. Eugene é nível 9 na escala Rodrigo Terra-Cambará de perfeição em caráter de personagem, mas, pensando bem, assim é o livro inteiro. Eu não sei se Saul Bellow viajou mesmo pra esses lugares, ou estudou alguma coisa sobre esses povos, mas a descrição que ele faz das tribos, da áfrica, do comportamento de seus líderes e dos rituais, é algo pra fazer cair o queixo no dedão do pé. Talvez seja isso que fascina a gente na literatura afinal. Se não, é com certeza algo que faz alguém ganhar o prêmio Nobel de literatura, como Saul Bellow ganhou em 1976.

Essa edição da Companhia das Letras tá no padrão da editora, com papel e capa que lhe são peculiares. Mas tenho uma crítica: a revisão do livro não foi das melhores mesmo. Várias palavras erradas, um jogo de palavras que foi traduzido de duas maneiras diferentes (ammargruha e bittahcidade, aparecem as duas formas no livro), e conte só quantas vezes a condecoração militar Purple Heart foi escrita como Purple Haze (será que tinha alguém doidão ouvindo Hendrix por lá?). Mau, muito mau, esse tipo de coisa dá um baque na leitura que a gente nem imagina.

Por fim, eu não sou muito de fazer isso, mas vou transcrever um trechinho de um diálogo do rei Dahfu que me impressionou muito, para dar o gostinho da leitura para vocês. Sem aspas iniciais porque esse texto já vai ficar cheio de aspas naturalmente:

“Dizem”, prosseguiu, “que o mal pode facilmente ser espetacular, que com seu ímpeto e fanfarronice impressiona o espírito mais facilmente do que o bem. Oh, isso a meu ver é um engano. Talvez seja verdade no que se refere ao bem corriqueiro. Muitas e muitas pessoas ótimas. Oh sim. Sua vontade lhes ordena praticar o bem, e elas o praticam. Como isso é comum! Mera aritmética. ‘Deixei de fazer os etceteras que deveria ter feito, e fiz os etceteras que não devia’. Isso não chega a valer uma vida. Oh, como é sórdido manter um registro de custo-benefício. Minha visão é totalmente oposta: o bem não pode significar oposto ou conflito. Quando ele é grande e elevado, é também superior. Oh, Sr. Henderson, é muito mais espetacular. Tem a ver com inspiração, não com conflito, pois ali onde o homem entra em conflito, ele cai, e quem empunha a espada também morre pela espada. Uma vontade estúpida produz um bem muito estúpido, desprovido de interesse. Onde o homem traça uma linha de frente numa guerra, é ali que ele tem tudo para ser encontrado, morto, um atestado de grande força e sacrifício, mas só de sacrifício”. (página 205)

Comentário final: 413 páginas pólen soft. Afunda o esterno do camarada.

Anúncios

10 Respostas para “Saul Bellow – Henderson, o rei da chuva (Henderson, the rain king)

  1. Oi, Yu!! Que bom que gostou do livro 😀
    Eu, que não sou muito fã de literatura de língua inglesa, fiquei com vontade de ler esse livro.

    Agora, uma pergunta: por quê você escreve áfrica, com a minúsculo?

    Beijos!

    • Eu adorei o livro, querida! Espero que você leia e goste também.
      Eu escrevo áfrica em minúsculo porque escrevo esvaído de energia e saco para revisão, mas vou corrigir, tá?
      Beijo!

  2. Se você me permite, vou comentar mais alguns trechos do que a resenha em si. Você tinha comentado sobre esse livro comigo. Mas quando você comentou não achei que fosse tão interessante. Essa “viagem” para a África tem sido uma constante no século XX e permanece no nosso lindo século XXI. Como nos tempos anteriores, os senhores ricos e letrados da Europa iam para a Índia e China, e buscavam lá novos conhecimentos, parece que a África começou a despertar a curiosidade de muitos. Essa característica lingüística, que você lembrou bem, é um dos chamativos. Não só porque é algo curioso, mas porque realmente é algo “filosofante”. O que é bom pra provar para os alemães que eles não são tão magníficos assim. O que dizem alguns autores – Herder, Goethe, Kant – é que nós, moderninhos, perdemos nossa “fala poética”. Porém, esse povo mais ligado com o mundo, onde as palavras significam muito, eles ainda possuem isso. Alguma coisa aí lembra o Guimarães Rosa? Enfim, penso que se o autor, segundo você, usa desses elementos, é válido como leitura.
    Abraço.

    • Oi Lucas, sabe que aqui você não precisa pedir permissão para nada, seus comentários são sempre bem-vindos. Realmente, essa moda de ir pra África, pra Índia e outros lugares ermos e misteriosos foi muito forte no século passado, mas veja que Henderson, se teve uma razão para ir para o continente, talvez tenha sido impelido por essa moda, embora ele não a explique. Entendo que a derivação desses conceitos africanos seja importante para entendermos como funcionam os nossos próprios, talvez tenha sido esse o propósito das Mitológicas do Levi Strauss (o cara da calça jeans, né?) Não vi nenhum traço de Guimarães Rosa no livro, mas isso não quer dizer que ele não seja bom, embora, hoje em dia, esses vagabundos beletristas conseguem achar relação entre Camões e Deise Tigrona sem a menor dificuldade. Se você ler o livro algum dia, conte-me sobre suas impressões.
      Abraço!

  3. Yuri, milhões de desculpas por vir até aqui buscar seu contato!!!
    Li sua matéria “Bazar Pamplona: música divertida e provocadora”, gostei e quis comentar, mas, não encontrei seu contato lá na Oi. Recorri ao Google!
    … enviei e-mail com o comentário que falo acima e aproveitei para convidá-lo para um coquetel que faremos mês que vem.
    Valeu camarada,
    aguardo seu retorno!
    Abraços,

    Teíno

    • Oi Teíno, fiquei muito feliz mesmo que você tenha me achado aqui e se disposto a comentar sobre a matéria. Não precisa pedir desculpas nenhuma, e pode visitar-me aqui sempre que quiser.
      Li, ouvi a sua banda e respondi seu e-mail com carinho.
      Um abraço!

  4. Vou fazer um comentário tardio. Espero que vc receba atualizações por e-mail. Saul Bellow, dada a minha preguiça com edições em inglês, era há muito tempo um dos autores que ansiava por ler. quando a cia das letras lançou Augie March não hesitei: é o melhor livro que li esse ano. um dos grandes romances norte-americanos do seculo passado. fundamental. é por causa de obras como essa que a literatura norte-americana está sempre a frente das demais. Logo em seguida, li Henderson, gostei muito, mas está aquém de Augie March, uma de suas obras-primas, junto com Herzog, que vai ser lançado (espero que logo) pela cia das letras.
    Parabéns pela resenha! Tive as mesmas impressões que você.
    Abraço!

    • Oi Jackson, não se preocupe, aqui damos atenção a todos os comentários, tardios ou não, pedindo ajuda para o trabalho da escola ou não!
      Tenho muita vontade de ler o Augie March. Mas, também, tenho muita vontade de ler outras coisas. Por mais paradoxal que pareça, agora que estou resenhando livros semiprofissionalmente (não aqui no blog, lá na Paradoxo), tenho que me ater à agenda das editoras e seus lançamentos. Tenho uma pilha de livros que comprei e que ainda não pude ler. O Augie ainda não, mas com certeza tá na fila. Não é exatamente pequeno pra ler entre uma leitura e outra, então vamos ver se fica para as férias. A seu comentário sobre ele me animou!
      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s