Art Spiegelman – Maus


Eu duvido que tenha algum literato conservador que visite esse blog (pelo menos periodicamente) e vá se ofender agora por tratarmos de uma graphic novel (que é uma forma fresca de chamar gibi. Como chamar roceiro de camponês e morro de colina) ao invés de um livro propriamente dito, feito de nada mais que palavras e prepotência. Em defesa da obra, é preciso dizer que Maus não é uma graphic novel qualquer. É um dos poucos (não é o único, né?) quadrinhos que venceu o exaltado — pelas pessoas, o prêmio em si é tranqüilo —prêmio Pulitzer, dado a escritores que ficam felizes e jornalistas que tendem a morrer logo depois por explosão do ego. E o pior, ganhou um Pulitzer especial (que aqui pode ter os dois sentidos de “especial”), pois não sabiam se o premiavam como ficção ou biografia. O que é uma dúvida muito da imbecil, pois tá na cara que Maus é pura biografia.

O quadrinista Art Spiegelman desfiou por páginas e mais páginas a história de seu pai judeu nos campos de concentração durante a segunda guerra mundial. Ele faz isso narrando também suas visitas ao pai, de nome Vladek, para entrevistá-lo. No livro, os personagens tem feições animalescas para apontar cada nacionalidade: judeus são ratos, alemães são gatos, poloneses são porcos, estadunidense são cães, et cætera. Essa característica marcante do livro se baseou nas propagandas nazistas que tratavam os judeus como ratos. Maus foi publicado inicialmente em 1986, aos pouquinhos,  numa revista mutcho loka que o Art Spiegelman editava, e depois foi lançada em dois volumes, apenas para depois ser compilada e chegar às nossas mãos brasileiras (porra, como eu odeio quem fala “tupiniquim”). A edição da Cia. Das Letras — selo da Companhia das Letras destinado ao público infanto-juvenil — foi lançada em 2005, apenas, ou seja, demoraram exatos dezenove anos até que uma edição nacional do livro surgisse. E tudo bem, já que Breakdowns apareceu só em 2009, não vamos reclamar, dezenove anos não está muito atrasado. Ah, o Pulitzer em questão foi ganho em 1992.

Bom, tirando os nazistas, os poloneses (que não curtiram muito serem palmeirenses no livro), meio mundo que não gosta de judeu e aqueles malucos que acreditam que o holocausto nunca existiu, quero ver alguém ler esse livro e não gostar, não se emocionar. Maus é sensacional! E acho que o mais legal do livro é o clima kafkiano com que Vladek e sua esposa Anja são conduzidos de maneira tranquila rumo ao surrealismo de Auschwitz. É como assistir ao Nó na Garganta, do Neil Jordan: de repente só tem absurdo na história e você não consegue definir onde foi que as coisas começaram a ficar daquele jeito. Por meio de Anja, mãe de Spiegelman, e de seu suicídio o autor consegue dar ao público o impacto do holocausto ao longo das gerações das famílias judias. O livro também contém (em uma versão ridiculamente reduzida) a história Prisioneiro do Planeta Inferno, sobre a ocasião do suicídio de Anja. Essa graphic novel foi publicada primeiro em uma revistinha qualquer, mas ficou famosa em seu livrão Breakdowns, e é visualmente muito bonita por tentar transpor para os quadrinhos algumas formas e ângulos do expressionismo alemão. Por isso garanto que vale mais a pena conhecê-la em seu tamanho original. De qualquer jeito, Maus é um livro que é preciso ter em casa, então por favor, trate de providenciar.

E claro, o livro tem seu lado engraçado. No caso, a persona caricata de Vladek, o típico judeu pão duro e preconceituoso, que briga no supermercado para devolver meio pacote de sucrilhos já aberto, e acusa sua namorada de estar com ele pelo dinheiro. Com isso acho que Spiegelman provou que não se meteu nessa para fugir da realidade. E não é isso que todo mundo espera?

Comentário final: 296 pesadas páginas de offset. Como diz a música, bate feio maionese.

Anúncios

16 Respostas para “Art Spiegelman – Maus

  1. acho que esse é o primeiro livro que você comenta aqui que eu já tenha lido. fodão pra cacete, não dá vontade de parar de ler.

    eu li o primeiro capítulo na casa de um amigo acho que em 2007, 2008, não sei. daí não tirei da cabeça até poder ler inteiro. não sei o que comentar a não ser: fodão.

    • É um possibilidade, Maurício. Mas, pela minha experiência com a BPP, os livros mais legais tendem a nunca estarem disponíveis. De qualquer jeito, leia e não deixe de me contar suas impressões. Abraço!

  2. Sem palavras pra definir esse livro, rapaz.

    Uma parte que nunca vou esquecer é aquela em que o Vladek arrisca a própria vida pra ajudar um amigo em Auschwitz. Solidariedade naquele inferno? E ainda tem gente que acha que não dá pra transmitir experiências com profundidade em Quadrinhos…

    • Nesse sentido de vencer a barreira da superficialidade que o preconceito contra os quadrinhos construiu, realmente Maus de uma bela iconoclastia, Miluse! Abração!

  3. Eu era garçonete e, durante umas conversinhas com clientes, surgiu o assunto: meus clientes, judeus, sugeriram a leitura de Maus. Tive uma dificuldade abissal para encontrá-lo e, por isso, acabei ganhando dos mesmos. Tratei de lê-lo em poucas horas! Em menos de oito horas, para ser mais exata. Bom, não é só um livro genial…é muito mais!
    passei a recomendá-lo aos outros clientes e sugeri que minha professora de literatura universal o colocasse em seu próximo programa.
    No inglês, todos amaram o livro…rs
    No alemão, idem.
    Ah, estou trabalhando o conhecimento prévio na construção do sentido em Maus, como monografia…rs
    acho que já deu para saber o quanto eu gostei né?

    • Oi Vania, obrigado pela visita. Apareça sempre!
      Uau, impressionante mesmo a sua história, embora não tenha entendido bulhufas do tema da sua monografia. Mas não se chateie, eu é que sou ignóbil mesmo. Mas enfim, acho excelente o poder de transformação que uma obra pode ter na vida de uma pessoa, mesmo quando entra na vida dela por vias tão improváveis, como pelas mãos de clientes judeus (sério que os caras meteram a mão no bolso pra te dar um livro? HOHOHOHOH, que maldade). Eu também fiquei encantado com o livro, foi uma das minhas melhores leituras esse ano. Que legal que compartilhamos o apreço por essa obra.
      Um abraço!

  4. ah….bom saber que vc ainda escreve no seu blog! pq conheço um zilhão de pessoas que criam e não postam, não acompanham…enfim.
    sim, meus adoráveis clientes compraram…e eles não eram sovinas não..rs!
    acho que o fato de falar umas duas ou três palavrinhas em hebraico contribuíram para diminuir a distância entre nós…rs
    sobre a mono, eu estou trabalhando o conhecimento prévio…na construção da coerência…trocando em miúdos, estou falando que é necessário ter um conhecimento histórico, lexical, conhecimento de mundo para entender o sentido do livro…
    bom, se depender de mim, Spiegelman vai render !!!!!!

    • Oi Vania, agora entendi melhor a sua monografia! Bem interessante mesmo. E que bom ter clientes como os seus, imagino. Se eu ganhasse livros de pessoas com quem mantenho uma cordial relação profissional, seria o paraíso.
      Mazel Tov! 😀
      Abraço!

  5. ah, esqueci: dica de livro!!!

    – o rastro do sândalo (asha miró e anna solder)
    – ensaio sobre a cegueira ( saramago)
    – Dessert in desert – ( vania dos anjos…rs ainda não lancei, mas quando publicar, pode ler…rs)

    • Já li o Ensaio Sobre a Cegueira, um dia posto uma resenha aqui sim. Não deixe de acompanhar os posts que saem toda quarta e domingo. Ah, e quando publicar seu livro, envie-me um exemplar que fazemos uma resenha dele aqui!
      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s