Feliz Natal!

“Feliz Natal” é o tipo do voto que mesmo quem não tem nada a ver com Jesus Cristo deseja para as pessoas. É o equivalente ao “Graças a Deus” que o ateu solta quando se alivia. Por isso, sejam vocês, meus leitores, cristãos, judeus, cientólogos, ateus, satanistas, movimentarianos, adventistas, esotéricos, homeopatas ou muçulmanos, desejo a todos um feliz natal!

E esse post foi escrito não só porque eu sou Workaholic não. Tem um motivo bem mais nobre. Acontece que um leitor do Livrada!, o Josiel, recomendou este cabedal de besteiras para nada mais nada menos que Rosana Hermann, mãe dos Urbanóides (ô, infância! ô, Tv cultura!), e ela fez um vídeo, por sua vez, indicando-o, para seus leitores e fãs. Que beleza de presente! É nóis na mídia, mano! O vídeo, ele me adiantou, está aqui!

E é isso, galera! Volto no dia 16 de janeiro, ok?

Abraços a todos! E obrigado ao Josiel e à Rosana!

Anúncios

Hábitos de leitura 2 – Organizando sua estante

O quê?? O post de hoje não saiu às 9 horas? Que absurdo, Yuri! Quanta irresponsabilidade! Pois é, gente, ia escrever ontem à noite, mas veja só como esse blog está profético: Quando falei do Rota 66, estourou aquele corre-corre no Rio. Depois, fui falar do Mez da Grippe e chumbei de gripe mesmo, uma das mais violentas que já tive. Por isso fiquei de molho, e ao invés de escrever ontem, perdi a hora vendo o filme Gelo Negro. Êta filminho tenso da gota serena! Mas não estamos aqui pra falar de filmes, não é?

Ah, vocês, perguntariam, e como foi o show da Sua bunda? Ô galera, foi bunito demais, sô. A pancadaria comeu solta e a galera se divertiu. Pra quem tiver interesse, disponibilizei três vídeos no Youtube: Um de uma música nossa chamada Café na Sua bunda, uma composição trilíngue (português, inglês e francês, mané, tá pensando o quê?); Outra composição nossa chamada Laktostasi (que originalmente se chamou Laktonazi, mas a Stasi faz muito mais sentido na música), que foi escrita em alemão e tem uma pegada meio rammstein enquanto dialogamos sobre a intolerância à lactose, um mal que acomete muitas pessoas;  e finalmente, um cover do Dead Kennedys, Police Truck! A quem tiver interesse taí. Mas não estamos aqui pra falar de música também, não é?

Viemos aqui para falar dos hábitos de leitura, uma seção nova no blog e que hoje, serve como encerramento das atividades do Livrada! neste ano de 2010, e justo hoje que o blog completa oito meses! Foram mais de 80 livros resenhados, acessos que não param de subir e muitos novos amigos feitos. Mas por enquanto, vamos dar um tempo. Afinal de contas, fim de ano chegando ninguém tá com saco de ler resenha de livro ou coisa que o valha. Neguinho quer ficar só na maciota, dar uns abraços na vó, se decepcionar com amigo secreto, dar pulinho ridículo em onda no ano novo, encher o bucho de sidra e tender, ver o Show da Virada na Globo. Por isso, voltaremos em 2011, logo no comecinho, alright?

Pois bem, galera, estantes. As estantes de livros não são indispensáveis nas casas dos leitores, já que tem uns ratos de biblioteca por aí que não sustentam o falido mercado de livros no Brasil. De qualquer jeito, a maioria tem lá sua dúzia de livros espremidos entre dvds, gibis, etc. Digo pra vocês, gente: é importante ter a sua estante de livros em um lugar visível e bem frequentado da casa, por uma única razão: a gente precisa fazer os livros serem legais de novo. Quando eu digo legal, quero dizer cool, descolado, transado, choque, brasa mora, entendeu? Sério gente, se vocês arrumarem uma paquera no bar à noite e ele(a) leva você pra casa dele(a), repare se há estantes de livros. Se não tiver, simplesmente NÃO transe com ele(a)! Vamos estabelecer a ditadura dos livros nesse país, é ou não é?

Enfim, aqui em casa as estantes ficam na sala, e tirei uma foto (que depois descobri que ficaram todas meio borradas, mas tô muito debilitado para tirar novas fotos… cof cof… tadinho de mim) pra vocês verem como é:

Atualmente tenho 6 prateleiras então, e uma pintura original, minha primeira obra de arte nessa casa, presente do André Dahmer, pai dos Malvados. Vamos ver se colocamos em detalhe, assim é possível sacar um pouco da arrumação que eu faço:

Essa é a estante do meio. Aqui guardo minha pequena coleção do Nelson Rodrigues, alguns livros do Saramago, alguns vários do Cristóvão Tezza, a coleção policial completa do Luiz Alfredo Garcia-Roza, a coleção completa de livros publicados no Brasil do Mia Couto, O tempo e o Vento inteirinho e mais o Olhai os Lirios do Campo (que é da Carlinha. Tem um monte de livro dela nas estantes, ok?), uma boa dúzia de livros do Italo Calvino, um Marquês de Sade ixperto pra galera e dois Faulkner.

Aqui na estante inferior direita, guardo a trilogia da Crucificação Rosada, do Henry Miller, todos os Kafkas que consegui encontrar nessas edições (me falta O processo, se alguém aí tiver, eu compro), todos os Michel Houellebecq, alguns Philip Roth, quase todos os Coetzee publicados (me faltam a Vida dos Animais, o Mestre de Peterburgo e o Diário de um ano ruim) E o Viva o Povo Brasileiro, do João Ubaldo.

A estante superior direita tem bons títulos também: Stanislaw Ponte Preta, Leonardos Sciascias, Vargas Llosas, Rosas Monteiros, Fernando Vallejos, Kunderas, Pedros Juans, Rubens Fonsecas, Kadarés, Valêncios Xavieres, Stieg Larssons, Cacos Barcellos, entre outros.

A estante mais baixa do lado esquerdo tem muitos livros que eu ainda não li, entre eles a Mulher do Próximo, Gomorra, Freud, Conversa na Catedral do Vargas Llosa, V.S. Naipaul, Operação Massacre, Política e uma edição de My life as a Man do Philip Roth em inglês, presente do camarada Irinêo. Todos na fila. Que agonia!

Mais livros na estante menos baixa do lado esquerdo. Dois títulos do ciclo de Albany, do William Kennedy, Godot, Vermelho e o Negro, uns Miguel Sousa Tavares, Kawabatas, Paul Auster, Sándor Márai, Borges, mulheres modernistas, Elogiemos os Homens Ilustres, DOIStoiévski (trocadilho do século, hein?) Cervantes, Isaac Asimov e Tolstoi.

Por último, na estante superior do lado esquerdo, alguns livros que deixei um pouco para trás misturados a outros, dos quais ainda gosto. John Fante, Irving Welsh, Ed Bunker, García Márquez, Palahniuks, e uns livros de jornalismo, afinal de contas, passei por uma faculdade, né?

E essas são as minhas estantes, galera. Dá pra ver que não há um critério de arrumação melhor definido do que pelo tamanho. Gosto dos livros grandes nas bordas da estante, e só. Mas vejamos aqui o que os nossos leitores usam como critério para organizar seus alfarrábios!

O Fausto, nosso leitor de além-mar, tem uma estante clássica, dessas de chão, onde empilha livros tanto na horizontal quanto na vertical. Ele não soube precisar se há alguma ordem ou não, pois sua esposa é quem organiza, e disse que quebra o pescoço quando precisa procurar um título. No entanto, fez questão de me mandar a estante de livros das filhas dele, essa sim, um exemplo de organização. Check it out:

Fala sério hein, se você tivesse metade da organização dessa estante na sua vida você não estaria atolado de problemas. Os fichários são documentos da mãe das meninas e esposa do Fausto, que é professora primária.

A Lálika, do blog Elo Amarelo, tem prateleiras de parede com cavaletes de suporte, e escreveu “Come as You Are…” numa parede totalmente pink. Entre seus livros tem porta-retratos, porta-lápis e várias caixinhas que eu imagino que sejam para guardar joias. Entre seus títulos, é possível ver uma pequena coleção do Fernando Morais, uma mega coleção do Harry Potter, alguns livros do professor Dawkins, Zuenir Ventura, Mafalda e Rolling Stones. Ela disse que o quarto dela foi reformado e isso tudo aí já mudou, e que uma das estantes caiu.

O Bruno, do blog Pizza Frita, é o nosso leitor mais nerd. Tem uma prateleira só de livros de RPG, Harry Potter, Tolkien, caixinhas, pôster do Evanescence e vários bonequinhos do Star Wars. Isso porque vocês não viram a coleção de mangá do rapazote, que chega até o teto e volta umas três vezes. Mas o rapaz também lê livros técnicos, veja só.

Vish, que preguiça que dá só de olhar pra esses livros. O Bruno está se especializando em desenvolvimento de jogos, rapaziada (me corrija se eu estiver errado), então tudo bem que tem um Tormenta e um AD&D ali no meio, né?

Por último, a nossa leitora Karen, do site Saturnália, diz que não tem uma estante, então os livros ficam espalhados todos pelo chão mesmo, no que ela chama no e-mail de “Galeria anarquista”. Na foto, entre dicionários e sapatinhos, está o livro Christine, do Stephen King, seu livro favorito.

Aqui, em mais uma foto (ela me mandou várias, então tive que escolher) vemos mais um pouco do caos de sua (des)organização. Em destaque, o livro O amante, da Marguerite Duras, parte da coleção das mulheres modernistas, o Exorcista (que medo!) e mais uma porrada de livros encostados. Punk’s not dead!

Então é isso, minha gente. Agradeço a todo mundo que acompanhou o blog até aqui e vai continuar acompanhando no ano que vem! Acho que fizemos algo meio inédito no campo cheio de dedos da crítica literária e vamos aumentar ainda mais nosso alcance em 2011. Tenham todos um bom fim de ano e um próspero ano novo. Ah, fiquem de olho na seção de recados. Vou escrever ali a data da volta do blog!

Abraços a todos,

Yuri Alhanati

Valêncio Xavier – O mez da grippe e outros livros

Galerinha, novidades! O Livrada! tem o seu primeiro parceiro: a editora Prumo (como podem ver pela seção de parceiros na barra ao lado). Então aguardem livros da editora e sorteios de títulos, okapa?

Outro aviso: o próximo post será sobre as estantes, então, quem não mandou, mande logo a foto da sua, vai ser maneiro! (estamos sucintos hoje, hein?)

Então vamos ao que interessa: o mês de dezembro me lembra muito do Valêncio Xavier, por uma razão que só faz sentido pra mim: em 2007 meu pai me deu de presente de natal uma farrinha na Fnac, onde comprei seis livros: Ficções, do Borges, o Ninho da Serpente, do Pedro Juan Gutiérrez, Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, do Mia Couto, o Continente vol.2, do Erico Verissimo, O evangelho segundo Jesus Cristo, do Saramago, e este, o Mez da Grippe, um dos melhores e mais bonitos livros da minha estante. Claro que todos eles já haviam sido lidos ao final de janeiro, mas o fato é que foi um dia muito irado pra mim, que me senti fazendo as compras de mês na livraria. Tudo isso pra explicar por que escolhi esse livro hoje. Opa, voltamos à encheção de linguiça que nos é peculiar

Valêncio Xavier, pois bem. Ao mesmo tempo em que a mídia fica aí dando tapinha nas costas dele, dizendo que ele é o cara, ele sempre foi muito pouco comentado e muito pouco lido. O cara tem uma panelinha de leitores mais fechada do que a galera do Ignácio de Loyola Brandão. E digo pra vocês: é preciso ler mais Valêncio Xavier. Muito mais. Estou falando desse livro óbvio dele, mas pretendo falar de outros, afinal, quando deu a notícia da morte dele no jornal, todo mundo esqueceu o Desmembranças da menina de rua morta nua e do Minha mãe morrendo e o menino mentido. Então, vamos fazer aqui um favor à humanidade e tornar os livros do Valêncio prestigiados outra vez. Larga aí o Crepúsculo e se liga nessa história.

O Mez da Grippe e outros livros já chama atenção no título. Não só tem uma grafia escrotassa de mil novecentos e guaraná de rolha, como o “e outros livros” faz parecer que espremeram tomos aí nessas poucas páginas que o livro apresenta. Acontece que o autor escreve seus livros com um mínimo de texto e sempre com o recurso das imagens e do projeto gráfico montado exclusivamente para suas histórias (e por isso ele interessa tanto aqui para o Livrada!).

Por partes então, e falarei aqui dos principais. O livro que dá nome ao livro (hã?), O Mez da Grippe, é a história da gripe espanhola em Curitiba. Pra quem dormiu na aula de história, a gripe espanhola foi o surto de Influenza A H1N1 (sim, aquela que ganhou o prêmio Revelação de 2009 no Doença Awards) que, em 1918 chegou no Brasil e matou gente a dar com pau. Você imagine só que se essa gripe matou gente pra dedéu no ano passado, com todos esses avanços da medicina, bebedouro de Tamiflu, polícia paranóica no aeroporto, todo mundo andando com máscara e até comércio fechando, imagine só naquela segunda década do século XX, quando remédio não servia pra muita coisa e ainda assim todo mundo era hipocondríaco. Ora, vai dizer que seu vô não tinha umas histórias de tomar uma injeção na farmácia pra ter pique para ir pro trabalho? É, amigo, a gripe botou a dona morte pra fazer hora extra por dois anos. E Valêncio deu uma noção geral do que foi a parada, usando para isso depoimentos colhidos na época de velhas polacas curitibanas, recortes de jornal, fotografias e etc. Tudo isso com muito bom humor. É de cair o queixo a forma como as autoridades fecharam o olho pra doença, tentando não alarmar a população. A situação fica patética, então, e dá até pra imaginar a cara de bunda que o governo faz quando a parada sai de controle. Chegou a faltar caixão no mercado, e as pessoas até esperavam pra enterrar alguém, porque vai que mais gente morria, pra aproveitar o cortejo. Sinistrão, maluco.

Daí tem os outros livros dele. Maciste no inferno, por exemplo, é um filmão thrash do cinema mudo, que ele narra com imagens do filme, partituras da trilha sonora e uma locução doidona. O minotauro é um livro que se passa num hotel que é um verdadeiro labirinto, e a cada hora o personagem está diante de uma porta, cujo número aparece no cabeçalho. E, por último, gostaria de falar do conto O mistério dos sinais da passagem DELe pela cidade de Curitiba que, em resumo, fala de um terreno baldio na Rua XV onde, segundo o autor, Deus passou para dar um barro, leu e limpou a bunda com a Tribuna (o jornal que pinga sangue da cidade). Imagine o que é isso na cabeça de um moleque influenciável como eu e tirem suas próprias conclusões. O cara é bom ou não é?

Que esse livro é lindasso eu já disse. A Companhia das Letras, que geralmente tem um capricho com as obras que lança, foi extremamente cuidadosa com esse, que ganhou o Jabuti de 1999 na categoria melhor produção editorial. E não é pra menos. Repleto de fotos, recortes e diagramações a cada hora diferentes uma da outra, o livro tem um formato quase quadradão, generoso, com capa em papel cartão e mais papel cartão bordô-mamãe-tô-dando dentro. O papel é o legítimo pólen soft, mas as fontes variam muito. Tem até letra japonesa no livro, cara. Além disso, uma linda encadernação artesanal que vemos poucas vezes, e que dá um tchã especial pra obra. E chega de babar na minha edição, arruma a sua aí.

Comentário final: 324 páginas em papel pólen soft. Pimba na gripe suína!

Natalia Ginzburg – Caro Michele

Alô você! Parabéns, conseguiu chegar vivo até o começo de dezembro, e até o meio da semana (sabia que quarta-feira em alemão é Mittwoch, sendo mitt = meio e woche = semana? Livrada! também é cultura, malandro!).

E olha só, não costumo falar isso aqui, mas eu tenho uma banda de roque que se chama Sua bunda. Pois bem, Sua bunda vai se apresentar nesse fim de semana no Hermes bar (se tiver interesse em ir, só mandar e-mail) e vai ser legal. Tocamos um funk metal satírico e entretemos a audiência com muito humor e pauleira. Plim-plim, cabô o comercial.

O livro de hoje tem o mesmo título em italiano e em português, por isso não precisei dos parênteses com o título original. Trata-se de um livrinho bacaninha demais de uma escritora italiana chamada Natalia Ginzburg. A moça defendeu causas nobres em vida, deu uma de antifa no rabo dos que cismaram em dar as caras na Itália depois que o Ducce foi pro pau. E, entre uma antifada e outra, escreveu este belo livro, singelo por fora, mas intenso, triste, revoltante, arrebatador, surpreendente e emocionante por dentro. (Aprendi com as resenhas de filmes que saem nas capas a classificar as coisas com os adjetivos ‘arrebatador’, ‘surpreendente’ e ‘emocionante’.) Falemos dele então.

Caro Michele é um livro totalmente (ou quase totalmente) contado por meio de cartas, endereçadas ao tal do Michele. Bom, nem sempre, a maioria das cartas são para outras pessoas, mas todas elas, ou quase todas, falam do Michele, que é um jovenzinho estudante meio porralouquinha que tá perdido na vida, morando fora de casa e preocupando a mãezinha dele, que se vê às voltas com a vida que o filho deixou para trás: amigos do filho, problemas do filho, ex-namoradas do filho, etc. O Michele mesmo não dá muito sinal de vida. Aparece com uma namorada meio doida, meio hippie, e depois arruma outra, mais velha, que quer se mudar com ele pra não sei onde. De vez em quando lembra da mãe, que está velha, cansada, acabada e sozinha, reclamando de tudo e de todos, embora demonstre grande paciência. Alinhaz, esse é um dos pontos altos do livro: os personagens são muito bem construídos, mas, manja, tipo, muito, tá ligado, bróder? Pra dedéu, morô?

Então, há a questão das camas de texto. Se você pegar o Caro Michele pra ler de boua numa tarde, vai achar uma historinha bonitinha, meio triste, mas bem tranquila. Agora, se começar a esmiuçar o livro, sacar as idiossincrasias dos personagens, entender o que há por trás de cada hesitação, cada informação ocultada, cada sorriso amarelo, vai ver que o que há é uma família destruída que se mantém pelas aparências. E quando eu digo “família destruída”, não estou querendo que vocês façam analogia a um núcleo rico qualquer de novela das oito. Digo destruída individualmente: cada um é derrotado à sua maneira, e cada um esconde sua derrota por um motivo diferente. E aí o livro que já era bom fica excelente. Vai por mim.

Por fim, acho esquisito o narrador desse livro, que dá um estarte na parada e some depois de umas duas páginas. Não sei se a autora poderia ter se esforçado um pouco mais para fazer um livro sem narrador nenhum, só com as cartas mesmo, mas o fato é que o pouco que ele aparece dá a entender que se trata de uma muleta literária, no qual Ginzburg se apóia quando sente que não vai dar conta de tratar bem a história em algum aspecto. Mas essa é só a minha impressão.

Esse livro é parte da coleção “Mulheres Modernistas” da Cosac Naify, uma belíssima coleção aliás. Gosto da cor da capa, porque gosto muito de qualquer tom de verde escuro, e de estampa xadrez também. O livro conta com fotos legais da autora, sugestão de leitura, pósfácio de Vilma Arêas (Vilmaaaaaaaaaaaaaaaa) e tudo mais o que você tem direito. Papél pólen, fonte Nofret (alguém conhece essa fonte?), capa dura e página preta em papel cartão pra dar uma reforçada na belíssima encadernação artesanal. E, tá, a Natalia Ginzburg tem mó cara de caminhoneira, ou uma dessas velhinhas amargas, mas é uma das mais gatinhas das mulheres modernistas dessa coleção. Cada baranga que você não acredita, meu deus! Tipo, terceira mensagem secreta de nossa senhora de Fátima mesmo. Visão do inferno!

Ah, esqueci de dizer: escolhi esse livro hoje porque ele foi adaptado para o cinema pelo Mario Monicelli, o simpático vovozinho que saltou no vazio essa semana. A benção!

Comentário final: 192 páginas pólen soft 80 g/m² e capa dura. Toasty! (referência obscura essa, não?)