Hábitos de Leitura 4 – Catalogação


Feliz 2012, povão! Bem sei que nem todo mundo teve a oportunidade de passar o revéillon num ambiente tão distinto quanto a casa de Patrícia Abravanel, que teve além da minha presença, convidados ilustres como Boris Casoy, Walter Mercado, Bárbara Paz e Sander do Twister, para citar alguns, mas mesmo assim espero que todos tenham entrado neste ano com a vitalidade necessária para fazer dele um ano strondástico. De minha parte, a resolução de ano novo consiste em retomar minha carreira de fisioculturista, que deixei em segundo plano quando comecei a trabalhar como jornalista e leitor inveterado.

E tenho novidades para vocês! A primeira é que recebi o contato do pessoal simpático das editoras Dublinense e Não Editora, que se dispôs a mandar material literário para abastecer esse blog com o bom suco da literatura gauchesca (diria nacional, mas se eu falar que o RS faz parte do Brasil os gaudérios se estranham comigo). A segunda é que recebi o contato igualmente simpático da Sharon, do Quitandinha, que fez uma postagem sobre o Livrada! na sessão Blog de Quinta, que sai às quintas-feiras no site. Leiam lá!

E vamos ao texto de hoje, pelo qual espero muito não ser julgado, embora creia que seja tarde para isso. É a catalogação das leituras, algo muito nerd de se fazer e cuja utilidade descobriremos num futuro incerto, que pode ser remoto ou não.

Comecei a ler de maneira mais compulsiva quando me mudei pra Curitiba. Morava em um quarto sem televisão, sem internet, com nada além de meu violão e meu computador com GTA Vice City instalado. Sem conhecer ninguém na cidade, descobri ali perto da minha casa uma livraria e comecei a pedir dinheiro para livros. Fui lendo os que eu comprava e os que a minha mãe mandava pelo correio (geralmente Bukowski). Ela, que é leitora inveterada, recomendou que eu fosse anotando os livros que lesse, porque iria chegar um dia em que eu não me lembraria de todos — o que, particularmente, é um pesadelo: abrir um livro e lá pela página 50, falar: “eu acho que já li isso…”. Então comecei com uma listinha. E tenho ela aqui até hoje! Ei-la:

1- Trainspotting – Irwing Welsh
2- Cabeça de Porco – Vários
3- O Gosto da Guerra – José Hamilton Ribeiro
4- O Silêncio da Chuva – Luis Alfredo Garcia Roza
5- Achados e Perdidos – Luis Alfredo Garcia Roza
6- Vento Sudoeste – Luis Alfredo Garcia Roza
7- Uma Janela para Copacabana – Luis Alfredo Garcia Roza
8- Perseguido – Luis Alfredo Garcia Roza
9- O Apanhador no Campo de Centeio – JD Salinger
10- Cão come Cão – Edward Bunker
11- Nem os Mais Ferozes – Edward Bunker
12- Educação de um Bandido – Edward Bunker
13- Espere a Primavera, Bandini – John Fante
14- A Estrada para Los Angeles – John Fante
15- Pergunte ao Pó – John Fante
16- Sonhos de Bunker Hill – John Fante
17- Cem Anos de Solidão – Gabriel García Marquez
18- Memórias de Minhas Putas Tristes – Gabriel García Marquez
19- Doze – Nick McDonnel
20- Homem que é Homem Não Dança – Norman Mailer
21- A Insustentável Leveza do Ser – Milan Kundera
22- Batidão – Silvio Essinger
23- Feliz Ano Velho – Marcelo Rubens Paiva
24- Bala na Agulha – Marcelo Rubens Paiva
25- De Profundis – Oscar Wilde
26- O Retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde
27- Muitas Vozes – Ferreira Gullar
28- A Revolução dos Bichos – George Orwell
29- Leão de Chácara – João Antonio
30- Minutos de Estupidez
31- Filosofia para Principiantes
32- Filosofia de Banheiro

Muita coisa inútil e uma certa vontade por devorar obras completas, alright. Conforme fui ficando mais interessado na coisa, aprimorei meus métodos e comecei a dar cotações para os livros e, em 2009, descobri o Skoob, um lugar para controlar a leitura melhor do que ninguém, embora ele tenha também sua função de orkut de bibliófilos.

Mas nada é tão trivial que não se possa complicar com nuances e metodismos. Comecei a fichar minhas leituras então num caderninho especialmente para tal chamado Moleskine Book Journal. A página pré-diagramada te dá espaço para colocar citações, opinião, além da ficha técnica básica do livro. Cheguei a isso:

Essa é, arrisco dizer, a maior manifestação a que meu lado virginiano já se dignou. Obviamente não fiquei só nisso e comecei umas viadagens desse tipo:

É miguxice? É. Mas penso sempre que antes ter um livrinho de fichamentos meio afrescalhado do que ser um desses tiozões que fazem coleção de latinha de cerveja.

Agora, lhes digo: o fichamento ajudou-me em vários sentidos a controlar minhas leituras anuais, minhas opiniões sobre autores (o Amyr Klink, a quem dei cotação máxima no caderninho, perdeu todo o respeito que eu tinha por ele depois de ser maltratado por balela numa entrevista, em 2010), para guardar as citações que eu achava interessante sem riscar meus livros e para saber a época precisa em que os li. De maneira que hoje, quando termino um livro, anoto-o na lista, adiciono ao skoob e faço o fichamento no book journal. É um empenho, mas tenho empenhos maiores na minha vida, e esse blog que beira dois anos é um deles.

E agora jogo a bola para vocês, caríssimos. Fazem alguma coisa nesse sentido ou é apenas viagem da minha cabeça? Vamos, eu não posso ser o único anormal desse recinto!

Anúncios

15 Respostas para “Hábitos de Leitura 4 – Catalogação

  1. Pô, eu quero um moleskine desses, onde vc comprou?? Eu só tenho o skoob p me salvar mesmo. Antes eu anotava tudo em um doc do word e classificava com * na frente, mas depois surgiu o skoob e tudo ficou mais fácil.

    abs

    PS: Inveja muito grande do seu réveillon com pessoas tão carismáticas e queridas na casa da Patricia Abravanel! haha

  2. Muito legal o Moleskine! Eu sempre gostei de fazer listinhas no caderno, em aulas chatas… de filmes também… mas nunca consegui lembrar de todos MESMO, até aqueles lá dos idos da quinta série. O skoob é ótimo pra isso e, principalmente, pra trocar uns livros de vez em quando, mas tenho tido muita preguiça de atualizar. A propósito, sua lista tem pelo menos uns 3 do meu top – livros mais lindos da vida (até agora). Gostei 🙂

  3. Ae, Yuri, legal que o Livrada voltou. Acompanho sempre.

    Quanto a esta questão de parceria com editoras: você já deve estar ligado, mas não custa. A Companhia também faz parceria com blogs, tem que se cadastrar lá: https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?hl=pt_BR&formkey=dEZoVGkzaGk3cFV4V1Y4WDdHc0RReXc6MQ#gid=0

    Eu tava mesmo pensando em montar alguma coisa assim. Pensei em planilha do excel, mas esse skoob, que eu não conhecia, parece legal. Vou dar uma olhada lá.

    Um abraço!

  4. Nenhum galdério estranhará com você.Pois antes de qualquer gaúcho ser gaúcho é BRASILEIRO COM MUITO ORGULHO!Sei que muitos dizem o contrário.Mas esses muitos não são todos!

  5. Achei alguém tão metódico quanto eu!

    Bom, fiz curso de Letras e agora estou fazendo Ciências da Informação e Documentação (que é um nome mais chique para Biblioteconomia), então imagine a minha vontade fazer fichas catalográficas para todos os livros que eu tenho!
    Skoob é uma mão na roda, mas para quem tem Mac eu recomendo um aplicativo chamado BOOK HUNTER, dá para organizar os livros com todas as informações necessárias!

    Quem não tiver Mac e também quiser fazer essa catalogação mais técnica, os programas para windows são infinitos! Eu recomendo o Book DB (ou algo assim).

    Onde você arrumou esse Moleskine Book Journal? Fiquei com invejinha e quero um igual!!!

    Parabéns pelo blog!

  6. Olá Yuri,
    Bom ano, muitas leituras e muitos posts.
    Esses três últimos títulos de sua lista me deixam com algumas dúvidas quanto à sua pessoa…, mais que o moleskine!
    1 abraço

  7. =D

    Ah, eu já comecei uns 5-6 cadernos de fichamento, mas não consigo continuar. Não tenho saco pra parar uma leitura boa e copiar uma frase ou qualquer coisa assim. Então estou devendo as fichas de uns 40 livros desde o começo de 2010.

    Como a amanda, também fiz um curso-filho de biblioteconomia, Gestão da Informação, então aprendi a fichar direitinho, tim-tim por tim-tim e até vários livros ao mesmo tempo e tal.

    Mas se o livro é bom, a catarse não deixa não. Depois vem preguiça e vontade de ler outro e tal e tal e tal.

    Fico então com o Skoob e boas.

  8. Que bom que o blog voltou, Yuri! Rapaz, apareça mais vezes…

    Eu JAMAIS conseguiria esse método superorganizado de ser, embora me considere bastante organizado.

    O que faço é bem simples: vou lendo e anotando título e autor, e pronto. Faço isso desde 2008, e tem me ajudado bastante pra lembrar os títulos que li na hora de resenhar no meu próprio blog. Abração, seu lindo!

  9. antes, em 2005, comecei com uma lista de um papel, depois, em 2006, escrevi em minha agenda os livros lidos ao longo do ano, mas não dava notas ou escrevia resenhas. hoje eu atualizo meu goodreads e o skoob, dou notas, mas não faço resenhas, não tenho o talento para isso. ocasionalmente eu paro para escrever uma frase que me chamou atenção, mas na maioria das vezes não faço isso e tenho pena de riscar qualquer livro meu que não seja técnico-didático e só. mas esse é um belo moleskine.

  10. Pingback: Achados Literários #8 | Livro & Café

  11. Oi guri, vc não precisa de um moleskine (caro e normalmente inacessível no Brasil) para fazer isso.
    Veja os comentários neste post: http://diyplanner.com/node/2827 .
    Tem vários templates que dá pra imprimir e montar do jeito que quiser (inclusive desmontar um “moleskine falsifik” e imprimir).
    Para quem gosta de fazer online (inclusive acessível por tablet e telefone) sempre tem o librarything.com e bibliophil.org.
    E Readerware é um banco de dados que entende os barcodes de isbn tbm.

  12. Nunca tive uma lista de livros LIDOS. Costumava anotar os livros que QUERIA LER. Letra bem pequenininha, a página dividida em 4 colunas, para que tudo coubesse numa folha de sulfite. Eu dobrava em tamanho parecido com o de um cheque e punha na carteira. Tinha dois papéis: uma para livros e um para filmes. Os novos eu escrevia em letra minúscula no final da lista, até voltar a mexer nela no computador.

    Hoje em dia, uso só o Skoob. Comecei com o Tumblr esse ano e nele anoto pequenas impressões dos livros, já que não posso resenhar todos no blog.

    (Eu tinha impressão de que já te conhecia quando te vi no lançamento do Mutarelli. Tá, nunca tinha visto foto, mas quando cheguei em casa liguei os pontos: acho que foi o avatar dos Simpsons no Skoob.) =P

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s