Ernest Hemingway – Paris é uma festa (A Moveable Feast)


a moveable feastEstamos aqui mais uma vez para falar de Hemingway. Discutia com o Murilo dia desses sobre o fato de Hemingway ser ou não um escritor raso. E Murilo achava que não, mas eu digo que sim, mas digo também que ser raso não é um defeito – muito longe disso. Alguns dos escritores mais queridos de gerações (principalmente de jovens) são rasos, e por serem rasos, mantiveram sua popularidade por muito mais tempo. E veja também que raso não significa sem conteúdo. Hemingway escreveu o que viveu, e viveu muitas coisas, ora bolas, como um sujeito como esse pode escrever um monte de nada? Hemingway apenas tinha como meta em sua vida, e isso é reiterado em várias de suas memórias, incluindo esta, escrever apenas verdades.

E a verdade de Paris é uma Festa é tão convincente e apaixonante que Woody Allen certamente usou essa bagaça pra escrever o seu Meia-Noite em Paris. Porque o que lemos nessas páginas memorialísticas (que não dá pra chamar de romance pela aleatoriedade dos episódios) é o jovem Hemingway em sua melhor forma física sendo feliz na capital da luz. Com sua mulher, seu gato e seu filho pequeno (que é cuidado pelo gato), Hemingway bebe e convive com grandes personalidades da sua época que também moravam em Paris, como Gertrude Stein (não me desce a literatura dessa mulher, mas ele elogia tanto que talvez um dia dê mais uma chance), Fitzgerald, Ford Madox Ford Ezra Pound, James Joyce, Picasso e também Sylvia Beach, dona da Shakespeare and Company, livraria muito simpática que existe até hoje na cidade e que é realmente charmosa por dentro. É lá que o autor pegava livros emprestado e entrava em contato com o melhor da literatura russa, inclusive Tolstoi e Turgueniev, que ele adorava, e Dostoievski, que pra ele escrevia muito mal mas transmitia muitas emoções, vê se pode. Hemingway então embarca em uma história que já nos foi contada muitas vezes e por muitas pessoas, incluindo John Fante, que escreveu Pergunte ao Pó em 1939: a relação com a própria arte e a relação com o mundo real, no qual é preciso sobreviver. Hemingway tenta viver da própria literatura em Paris e com o pouco que ganha aposta nos cavalos para complementar renda enquanto tem que prover uma família pequena, da mesma forma que Arturo Bandini estava vivendo o sonho de ser escritor em Los Angeles ao mesmo tempo em que lutava para não morrer de fome na pensão fedorenta em que morava.

E o que a gente apreende disso para além da literatura numa tentativa de fazer de Hemingway um escritor profundo? A simples noção de que é preciso viver e viver fazendo o que se gosta. E claro, que a época dele foi a melhor de todas e que na sua só tem zé mané então desista porque todo o glamour foi embora com a praticidade do mundo moderno. Seu bolha.

Ernest HemingwayO que Hemingway escreve sobre si mesmo é altamente duvidoso se levarmos em conta o sério problema de afirmação que ele teve durante vida e que pode ser facilmente comprovado pelas histórias que escreveu. Hemingway se vê como um jovem e brilhante escritor, uns dos mais brilhantes de sua carreira, e guarda muitas reservas a reconhecer seus pares como iguais. Também se vê como um sujeito descolado em certa medida, e um bom amigo para as pessoas. É assim que narra uma viagem que fez com um histriônico Scott Fitzgerald e que conta como sua relação de amizade com Gertrude Stein chegou ao fim. Ora, rapaz, e o que os outros pensavam de si?

E Paris, vocês me perguntariam? Milhões de turistas vão todos os anos para a cidade mais visitada do mundo atrás do glamour de ficar horas em filas e disputar cantos para fotografar a Monalisa. Paris parecia ser muito mais fina naquela época do Michaud e do Deux Magots em que a água mineral não custa cinco euros seus desgraçados que fazem a fama em cima dos outros, vocês vão ver. Em dado momento do livro, Fitzgerald está preocupado em não ter um pinto muito grande e Hemingway o leva até o banheiro para dar uma fiscalizada totalmente heterossexual e, não convencido com as notícias reconfortantes do Papa, é levado pelo autor para o Louvre para ver umas estátuas de pinto pequeno. “Vamos até o Louvre. Agora! É só descer a rua e cruzar o rio”, diz ele como que jogando na cara da sua viagem completamente planejada de quatro dias a Paris o que ele podia fazer naquela época. Ver uns pintos no Louvre? Pois não, basta descer a rua e cruzar o rio! Nada de comprar pacote da CVC, nada de ficar horas espremido na classe econômica, nada de esperar mais algumas horas na fila do museu para aí sim, acotovelando muita gente, conseguir ver os pintos que Hemingway e Fitzgerald apreciaram naquela tarde de maneira com-ple-ta-men-te heterossexual. Paris era assim, uma cidade de acasos, de espontaneidade, de conveniências. E isso está morto pra você, seu patético, desde que nasceu. Toma essa, diz o livro do Hemingway.

Esse livro é publicado pela Bertrand Brasil e tem o seu projeto gráfico completamente modificado, com capas gráficas, tamanho grande, a assinatura do mestre na frente ao invés do nome e tudo mais o que eu já falei nas outras resenhas do cabra aqui e aqui. Esse ainda tem umas fotos da época, um sujeito com cara de emburrado mas aparentemente muito feliz e seus amigos escritores. Ponto pra Bertrand, tá demais essa edição.

Comentário final: 250 páginas em papel reciclado. Bem melhor que conferir o bilau dos outros no banheiro, amiguinho!

Anúncios

11 Respostas para “Ernest Hemingway – Paris é uma festa (A Moveable Feast)

  1. O autor Hemingway, conheço os livros ” o velho e o mar” e “Adeus as armas”. Não me convenceu como um grande escritor, mas na segunda categoria está entre os primeiros com toda certeza. Paris é uma festa não me convenceu a leitura. Quanto ao texto, gostei da citação de John Fante: Ask de dust.
    que tal a resenha de ” 1933 foi um ano ruim? abraço

  2. tô com o “paris não tem fim” do vila matas para ler. comento isso pela alusão a esse livro que o vila matas faz no título e na premissa de um campeonato de covers do hemmingway. do papai smurf aí só li o velho e o mar mesmo. geral paga pau para ele, mas acho que preciso ler algo mais, no entanto, tem tantas outras coisas que me parecem mais legais que Hemmingway que eu fico sempre protelando. espero viver o suficiente para ler mais algo dele. e meu pai adora paris, mas acho que eu não tenho paciência para essa cidade. próxima viagem que eu fizer pra oropa vou te pedir umas dicas de roteiro legais. heh

  3. Adoreiiiiiii, o blog! Estava procurando um exatamente assim e achei. Graças à Melina do Serendipity e o vídeo que vocês fizeram. Já estou seguindo o blog he he he
    Eu só “li” um livro do Hemingway, o Por Quem os Sinos Dobram, e procurei um pra ler justamente porque falam muito do autor por aí. Mas até hoje eu não consegui terminar o livro, demora tanto pra chegar o dia do cara explodir a ponte que eu parei na metade do livro e to sem coragem de voltar a ler. Mas estou pensando em retomar…
    Parabéns pelo Blog. O conteúdo é muito legal.

  4. Ele pode olhar o bilau em Paris e ter aquela coisa do “eu sou o macho, olha para mim” mas eu adoro e admiro a simplicidade em que ele escreve. Concordo contigo ser raso nao significa ser sem conteudo. Prefiro objetividade a floreio. Acabei de ler um dele agora Adeus as Armas e adorei. E o seu blog… que achado!

  5. Ele pode olhar o bilau em Paris e ter aquela coisa do “eu sou o macho, olha para mim” mas eu admiro a simplicidade em que ele escreve. Concordo contigo ser raso nao significa ser sem conteudo. Prefiro objetividade a floreio. Acabei de ler um dele agora Adeus as Armas e adorei. E o seu blog… que achado!

  6. Não tenho certeza, mas acho que Meia-noite em Paris foi mais baseado nas Autobiografias da Gertrude Stein do que na Moveable Feast. De qualquer forma, nesse sentido, o filme é melhor que o livro, exceto pela viagem com Fitzgerald. Aguardo os livros da Stein comprados na promoção da Cosac Naify para tirar essa prova.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s