Hábitos de leitura 2 – Organizando sua estante

O quê?? O post de hoje não saiu às 9 horas? Que absurdo, Yuri! Quanta irresponsabilidade! Pois é, gente, ia escrever ontem à noite, mas veja só como esse blog está profético: Quando falei do Rota 66, estourou aquele corre-corre no Rio. Depois, fui falar do Mez da Grippe e chumbei de gripe mesmo, uma das mais violentas que já tive. Por isso fiquei de molho, e ao invés de escrever ontem, perdi a hora vendo o filme Gelo Negro. Êta filminho tenso da gota serena! Mas não estamos aqui pra falar de filmes, não é?

Ah, vocês, perguntariam, e como foi o show da Sua bunda? Ô galera, foi bunito demais, sô. A pancadaria comeu solta e a galera se divertiu. Pra quem tiver interesse, disponibilizei três vídeos no Youtube: Um de uma música nossa chamada Café na Sua bunda, uma composição trilíngue (português, inglês e francês, mané, tá pensando o quê?); Outra composição nossa chamada Laktostasi (que originalmente se chamou Laktonazi, mas a Stasi faz muito mais sentido na música), que foi escrita em alemão e tem uma pegada meio rammstein enquanto dialogamos sobre a intolerância à lactose, um mal que acomete muitas pessoas;  e finalmente, um cover do Dead Kennedys, Police Truck! A quem tiver interesse taí. Mas não estamos aqui pra falar de música também, não é?

Viemos aqui para falar dos hábitos de leitura, uma seção nova no blog e que hoje, serve como encerramento das atividades do Livrada! neste ano de 2010, e justo hoje que o blog completa oito meses! Foram mais de 80 livros resenhados, acessos que não param de subir e muitos novos amigos feitos. Mas por enquanto, vamos dar um tempo. Afinal de contas, fim de ano chegando ninguém tá com saco de ler resenha de livro ou coisa que o valha. Neguinho quer ficar só na maciota, dar uns abraços na vó, se decepcionar com amigo secreto, dar pulinho ridículo em onda no ano novo, encher o bucho de sidra e tender, ver o Show da Virada na Globo. Por isso, voltaremos em 2011, logo no comecinho, alright?

Pois bem, galera, estantes. As estantes de livros não são indispensáveis nas casas dos leitores, já que tem uns ratos de biblioteca por aí que não sustentam o falido mercado de livros no Brasil. De qualquer jeito, a maioria tem lá sua dúzia de livros espremidos entre dvds, gibis, etc. Digo pra vocês, gente: é importante ter a sua estante de livros em um lugar visível e bem frequentado da casa, por uma única razão: a gente precisa fazer os livros serem legais de novo. Quando eu digo legal, quero dizer cool, descolado, transado, choque, brasa mora, entendeu? Sério gente, se vocês arrumarem uma paquera no bar à noite e ele(a) leva você pra casa dele(a), repare se há estantes de livros. Se não tiver, simplesmente NÃO transe com ele(a)! Vamos estabelecer a ditadura dos livros nesse país, é ou não é?

Enfim, aqui em casa as estantes ficam na sala, e tirei uma foto (que depois descobri que ficaram todas meio borradas, mas tô muito debilitado para tirar novas fotos… cof cof… tadinho de mim) pra vocês verem como é:

Atualmente tenho 6 prateleiras então, e uma pintura original, minha primeira obra de arte nessa casa, presente do André Dahmer, pai dos Malvados. Vamos ver se colocamos em detalhe, assim é possível sacar um pouco da arrumação que eu faço:

Essa é a estante do meio. Aqui guardo minha pequena coleção do Nelson Rodrigues, alguns livros do Saramago, alguns vários do Cristóvão Tezza, a coleção policial completa do Luiz Alfredo Garcia-Roza, a coleção completa de livros publicados no Brasil do Mia Couto, O tempo e o Vento inteirinho e mais o Olhai os Lirios do Campo (que é da Carlinha. Tem um monte de livro dela nas estantes, ok?), uma boa dúzia de livros do Italo Calvino, um Marquês de Sade ixperto pra galera e dois Faulkner.

Aqui na estante inferior direita, guardo a trilogia da Crucificação Rosada, do Henry Miller, todos os Kafkas que consegui encontrar nessas edições (me falta O processo, se alguém aí tiver, eu compro), todos os Michel Houellebecq, alguns Philip Roth, quase todos os Coetzee publicados (me faltam a Vida dos Animais, o Mestre de Peterburgo e o Diário de um ano ruim) E o Viva o Povo Brasileiro, do João Ubaldo.

A estante superior direita tem bons títulos também: Stanislaw Ponte Preta, Leonardos Sciascias, Vargas Llosas, Rosas Monteiros, Fernando Vallejos, Kunderas, Pedros Juans, Rubens Fonsecas, Kadarés, Valêncios Xavieres, Stieg Larssons, Cacos Barcellos, entre outros.

A estante mais baixa do lado esquerdo tem muitos livros que eu ainda não li, entre eles a Mulher do Próximo, Gomorra, Freud, Conversa na Catedral do Vargas Llosa, V.S. Naipaul, Operação Massacre, Política e uma edição de My life as a Man do Philip Roth em inglês, presente do camarada Irinêo. Todos na fila. Que agonia!

Mais livros na estante menos baixa do lado esquerdo. Dois títulos do ciclo de Albany, do William Kennedy, Godot, Vermelho e o Negro, uns Miguel Sousa Tavares, Kawabatas, Paul Auster, Sándor Márai, Borges, mulheres modernistas, Elogiemos os Homens Ilustres, DOIStoiévski (trocadilho do século, hein?) Cervantes, Isaac Asimov e Tolstoi.

Por último, na estante superior do lado esquerdo, alguns livros que deixei um pouco para trás misturados a outros, dos quais ainda gosto. John Fante, Irving Welsh, Ed Bunker, García Márquez, Palahniuks, e uns livros de jornalismo, afinal de contas, passei por uma faculdade, né?

E essas são as minhas estantes, galera. Dá pra ver que não há um critério de arrumação melhor definido do que pelo tamanho. Gosto dos livros grandes nas bordas da estante, e só. Mas vejamos aqui o que os nossos leitores usam como critério para organizar seus alfarrábios!

O Fausto, nosso leitor de além-mar, tem uma estante clássica, dessas de chão, onde empilha livros tanto na horizontal quanto na vertical. Ele não soube precisar se há alguma ordem ou não, pois sua esposa é quem organiza, e disse que quebra o pescoço quando precisa procurar um título. No entanto, fez questão de me mandar a estante de livros das filhas dele, essa sim, um exemplo de organização. Check it out:

Fala sério hein, se você tivesse metade da organização dessa estante na sua vida você não estaria atolado de problemas. Os fichários são documentos da mãe das meninas e esposa do Fausto, que é professora primária.

A Lálika, do blog Elo Amarelo, tem prateleiras de parede com cavaletes de suporte, e escreveu “Come as You Are…” numa parede totalmente pink. Entre seus livros tem porta-retratos, porta-lápis e várias caixinhas que eu imagino que sejam para guardar joias. Entre seus títulos, é possível ver uma pequena coleção do Fernando Morais, uma mega coleção do Harry Potter, alguns livros do professor Dawkins, Zuenir Ventura, Mafalda e Rolling Stones. Ela disse que o quarto dela foi reformado e isso tudo aí já mudou, e que uma das estantes caiu.

O Bruno, do blog Pizza Frita, é o nosso leitor mais nerd. Tem uma prateleira só de livros de RPG, Harry Potter, Tolkien, caixinhas, pôster do Evanescence e vários bonequinhos do Star Wars. Isso porque vocês não viram a coleção de mangá do rapazote, que chega até o teto e volta umas três vezes. Mas o rapaz também lê livros técnicos, veja só.

Vish, que preguiça que dá só de olhar pra esses livros. O Bruno está se especializando em desenvolvimento de jogos, rapaziada (me corrija se eu estiver errado), então tudo bem que tem um Tormenta e um AD&D ali no meio, né?

Por último, a nossa leitora Karen, do site Saturnália, diz que não tem uma estante, então os livros ficam espalhados todos pelo chão mesmo, no que ela chama no e-mail de “Galeria anarquista”. Na foto, entre dicionários e sapatinhos, está o livro Christine, do Stephen King, seu livro favorito.

Aqui, em mais uma foto (ela me mandou várias, então tive que escolher) vemos mais um pouco do caos de sua (des)organização. Em destaque, o livro O amante, da Marguerite Duras, parte da coleção das mulheres modernistas, o Exorcista (que medo!) e mais uma porrada de livros encostados. Punk’s not dead!

Então é isso, minha gente. Agradeço a todo mundo que acompanhou o blog até aqui e vai continuar acompanhando no ano que vem! Acho que fizemos algo meio inédito no campo cheio de dedos da crítica literária e vamos aumentar ainda mais nosso alcance em 2011. Tenham todos um bom fim de ano e um próspero ano novo. Ah, fiquem de olho na seção de recados. Vou escrever ali a data da volta do blog!

Abraços a todos,

Yuri Alhanati

Anúncios

Vencedor da Promoção – A estante do Sr. Raphael Pousa

Salve, salve! Olha eu aqui abrindo mais um post com uma saudação ridícula digna de um VJ da MTV. Serião gente, depois de hoje, nada de falar “salve, salve”, ok? Bom, anteontem, dia 8, foi mais um aniversário do Livrada!, que completa sete meses, aê! O crescimento do site é satisfatório, tendo em vista que as visitas não param de crescer e que a literatura não é, por definição, muito procurada. Então temos que comemorar! Decidi esse mês homenagear o sr. Raphael Pousa, feliz e cagão vencedor da promoção Comentário número 500 do Livrada! Raphael comentou pela primeira vez no Livrada! e venceu a promoção. E, para provar que não sou nenhum charlatão, pedi a ele que, gentilmente, enviasse uma foto com o livro. Eis aí então: Promoção

“Sou um feliz vencedor!”

Como também estou pedindo aos srs que me mandem fotos de vossas estantes de livros, o sr. Pousa foi ainda mais gentil e enviou fotos de sua bela coleção de livros. Percebi que o vencedor da promoção é um leitor com gostos muito semelhantes aos meus, pois compartilhamos muitos títulos em comum. Colocarei links para os quais já houve resenhado. Senão vejamos:

Nessa foto, vemos alguns de seus livros. Destacam-se ali o Desonra, do JM Coetzee, na novíssima edição luxuosa; Suicídios Exemplares, do Vila-Matas; A Humilhação e Indignação, do Philip Roth; a Invenção de Morel, do Bioy Casares (esse não tenho); Bolaño, só os maiores; Na Natureza Selvagem, que virou filme (não tenho); alguns da Inês Pedrosa (também não tenho), algum sucesso de vendas do dr. Richard Dawkins (não); o quadrinho Cachalote que, francamente, não entendi muito, e o maravilhoso Chabadabadá, do macho-jurubeba Xico Sá.

Aqui temos alguma coisa do Chico Buarque; o livro que eu mandei, Plataforma; Esperando Godot, uma das únicas peças boas desse mundão de deus; um calhamaço do Saul Bellow, de quem resenhei Henderson o Rei da Chuva; Ironweed, do Willian Kennedy, Erec e Eneide, do Montalbán, que comprei num impulso num balaio de 9,90 e a nova edição de O Teatro de Sabbath, de Philip Roth.

Eis aqui algumas pequenas grandes coleções: Luis Fernando Verissimo e Saramago. Os títulos ali incluem uma edição antiga de Memorial do Convento, e os livros que partilhamos: Todos os Nomes, a Viagem do Elefante, as Pequenas Memórias, As Intermitências da Morte, Don Giovanni e O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Alright!

 

Gabriéis Garcias Marquezes diversos, incluindo o já resenhado Memória de Minhas Putas Tristes, alguns livros do Chico Buarque (mais Chico Buarque?). Uma edição antiga de Benjamin e a edição laranja de Leite Derramado, que venceu todos os premios populares desse ano (mas não vamos discutir isso, não quero mais inimigos além dos que eu já cultivo). Aí sim, temos o já famigerado Lobo Antunes, sobre o qual já declarei minha posição, sob vaias e protestos dos demais, e vários livros do Rubem Fonseca, uma bela coleção que contém uma luxuosa e desbotada edição de Diário de um Fescenino e o livro Agosto. Ah, não é por nada não, mas babo muito nessa compilação de contos, mas é ruim de achar quem queira se desfazer de uma dessas.

Mais coleções: As ilusões Armadas, do Elio Gaspari (incompleta), dois calhamaços dostoievskianos da editora 34 e a simpática coleção de clássicos da Folha. Tem que ler esses livros aí, hein?

Aqui a coisa começa a ficar confusa. Darcy Ribeiro, Lya Luft, Cony, Adam Thirlwell, Nietzsche, Luc Ferry, Paul Auster e uma edição da idade do Bronze de Grande Sertão Veredas, ao lado de uma pequena coleção de títulos do Fernando Morais. Pô, sujeito, que mistureba! Se decide aí!

 

Pra terminar, uma metade mística-filosófica da estante com A Viagem de Theo, vários de Jostein Gaarder, Paulo Coelho (cof cof) e uma não tão simpática coleção do Estadão. Da outra metade, a preciosidade O Rei de Havana, Marçal Aquino, Machado de Assis, Thomas Eloy Martinez (o livro sobre a Evita), Alan Pauls e um almanacão do professor Pasquale porque ninguém nasceu sabendo!

 

É isso, galera! Já sabem: mandem as fotos de suas estantes para bloglivrada@gmail.com, o tempo está se esgotando. Raphael, desculpe qualquer brincadeira aí, sua estante é nota 10 e você é um ótimo leitor e interlocutor desse blog.

Abraços a todos!