Cinco calhamacinhos pra ler em janeiro (se quiser, se não quiser não faz nada fica peixe no sapatinho sossegado na moral tranquilidade rapaz)

Olá, queridos leitores do Livrada!

Tenho recebido muitos leitores novos nos últimos tempos, então pode ser que muita gente ainda não saiba que durante o mês de janeiro, o Livrada! não trabalha. Quer dizer, trabalha em termos de leituras, acumulando material para fazer os vídeos do resto do ano, porque eu não sou um leitor tão rápido e, pra piorar, tenho uma porção de coisas para fazer no meu tempo livre (tenho dois empregos, quem sabe como é sabe como é). Mas isso não quer dizer que eu não possa vir aqui conversar com vocês nesse meio tempo. Enquanto não arrumo uma hora pra sentar e responder os comentários do Desafio Livrada! 2016 (acho que vou fazer um vídeo só pra isso), resolvi deixar aqui dicas de leituras para esse mês de férias e de descanso para a maioria dos leitores novinhos ainda em calendário escolar. Não são clássicos desafiadores nem nada do tipo, são só livros meio grandes que eu gostei muito de ler e que faço sempre muita propaganda para que as pessoas leiam. Ora, longe de mim passar o ano aqui do alto da minha masmorra atochando desafio em vocês. Então lê quem quer, quem não quiser não lê. E quem sabe algum desses livros se encaixe em uma categoria do Desafio Livrada! de vocês.

 

1- Yu Hua – Irmãos

12443_gg

 

Eu não sei o quanto vou ter que indicar Yu Hua pra vocês pra alguém ler, mas aqui vai mais uma tentativa. Irmãos é um livraço. É grande, mas muito, muito difícil de deixar de lado sem ler umas 80 páginas de uma vez só. É triste, engraçado, comovente, patético, alarmante e odioso, e narra a história de dois meio-irmãos que crescem durante o Grande Salto Adiante e a Revolução Cultural na China, mas falar mais do que isso é spoiler. Para quem quiser saber mais, resenhei ele aqui.

 

2- Daniel Defoe – Moll Flanders

page_1

Quem gosta de Robinson Crusoé sabe que o mérito do livro está, em grande parte no jeito como Defoe conduz a narrativa, viciante pra caramba, elaborada a partir de poucos elementos. Moll Flanders também é assim. Lançada pela já finada Cosacnaify, o livro tem um bom tanto de páginas mas é igualmente delicioso. O título completo do livro já dá uma ideia da saga:

As venturas e desventuras da famosa Moll Flanders & Cia., que nasceu na prisão de Newgate, e ao longo de uma vida de contínuas peripécias, que durou três vintenas de anos, sem considerarmos sua infância, foi por doze anos prostituta, por doze anos ladra, casou-se cinco vezes (uma das quais com o próprio irmão), foi deportada por oito anos para a Virgínia e, enfim, enriqueceu, viveu honestamente e morreu como penitente. Escrito com base em suas próprias memórias.

Para quem se interessar, falei dele em vídeo aqui.

3- João Guimarães Rosa – Grande Sertão: Veredas

grande-sertão

 

Ler Grande Sertão: Veredas não é apenas um privilégio que todo brasileiro tem à sua disposição: é um dever ler esse livro e, ao final dele, constatar que o português é uma das línguas mais incríveis que a humanidade poderia conceber. Eu sei o que vocês vão dizer: que é complicado, que não dá pra entender porra nenhuma e que é muito grande, como os outros livros que eu coloquei aqui, e eu tinha prometido que não ia jogar grandes catataus desafiadores nessa lista. Amigo, o único desafio aqui é você perder seu medo e encarar o melhor livro já escrito em língua portuguesa. Vai por mim e me manda uma caixa de bombom depois pra agradecer, porque eu mereço. Foi o primeiro livro que resenhei nesse site, há seis anos atrás, mas nem leia porque eu era muito bobão e ainda mais raso naquela época. Ou leia, a internet é livre.

 

4- Mario Vargas Llosa – Pantaleão e as Visitadoras

Capa Pantaleao e as visitadoras - Ponto de Leitura.indd

 

What? Esse livro nem é um calhamaço. É só divertido pra caramba. A menos que a ideia de um milico CDF do exército escalado para uma missão secreta de levar prostitutas até os soldados da fronteira do Peru que estavam muito precisados e que acabou desenvolvendo um esquema gigantesco de prostituição na selva amazônica, tudo contado por meio de cartas, não pareça divertido pra você. Mas só pra constar: você é um quadradão. Resenhei ele aqui.

 

5- Don Delillo – Ruído Branco

Ruído Branco

 

Sério, eu não sei mais o que eu faço pra convencer vocês a lerem Ruído Branco. Não sei, juro. Vou colocar ele nessa lista como a minha última tentativa (dessa semana). Porra, você ainda não está lendo Ruído Branco? Resenhei aqui.

Anúncios

João Guimarães Rosa – Grande Sertão: Veredas

Começo o blog com um livro que já havia comentado na malograda primeira tentativa de um espaço sobre livros. Não poderia começar de outra maneira, afinal de contas, Grande Sertão: Veredas é o meu livro favorito. Ganhei-o de aniversário, em 2008, do grande amigo Cássio Busetto, que tenho em alta conta e cujas indicações literárias sempre são acatadas. Li durante as férias do fim do ano e hoje digo com tranqüilidade que ler este livro é uma das poucas vantagens de ser brasileiro. É preciso ter as raízes bem fixadas na cultura do país.

Para quem sempre dormia na aula de literatura quando a professora entrava nesse assunto, o livro é um grande relato de um jagunço chamado Riobaldo “Tatarana” a um interlocutor oculto. Ele fala de suas aventuras no “sertão das gerais”, um território vasto que abrange parte dos estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás, e de como conheceu e viveu com seu amigo Reinaldo “Diadorim”, um jagunço filho de Joca Ramiro, chefe do bando. Riobaldo, em sua ânsia por poder e sucesso, resolve fazer um pacto com o demônio, mas não sabe se o pacto foi consumado e passa a viver uma tortura psicológica enquanto tem de lidar com as reviravoltas de seu bando e a boiolagem latente que ronda sua amizade com Diadorim. Pronto, eis a sinopse. Se você não sabia do que esse livro falava, vergonha na sua cara, hein?

O problema de falar de um livro desses é que basicamente tudo já foi falado com muito mais categoria e conhecimento. A experiência lingüística é realmente o melhor da obra, e, somado à trama intensa, faz de Grande Sertão: Veredas o melhor livro que eu já li (até o momento, mas acho difícil achar algo melhor).

O leitor já deve ter lido de certos etílicos beatniks coisas como “eu escrevo com a alma, com o coração, com as bolas, com sangue, com porra, com merda” e bla bla blás semelhantes. É tudo mentira. O tal bebum escreve é com palavras e gramática, permeados por talvez algumas gírias e mau gosto. Porém, não seria nenhuma injustiça incorrer na suposição de que se algum autor realmente escreveu com a alma, esse autor foi o Guimarães Rosa. Ao contrário dos outros, Rosa conseguiu romper as correntes da sua escravidão à gramática e à semântica e, dando a volta por cima, tomou os elementos da escrita como seus escravos para conduzir sua literatura por veredas só imaginadas por ele e que nenhuma convenção linguística seria capaz de seguí-la. Não é a toa que o livro dá pano pra manga até os dias de hoje.

PROJETO GRÁFICO

A editora Nova Fronteira, que produziu a versão que eu li (vide imagem), cometeu o pecado de imprimir essa magnânima obra em um papel offset vagabundo. Em outras casas editoriais, o mais imprestável dos escritores é publicado no mínimo em um confortável pólen soft.

E isso não é pecado só com o Guimarães Rosa. As belíssimas ilustrações de nada menos que Poty Lazarotto mereciam ao menos uma capa dura. O número de vítimas aumenta se contarmos a excelente diagramação interna do cabeço (na vertical e alternando os cantos superiores e inferiores). O excelente projeto gráfico tem ainda o poema “Um Chamado João” escrito por Drummond sobre o amigo, com caligrafia do poeta. Tudo isso parcialmente arruinado pelo acabamento.  Não havia necessidade de se economizar tanto, afinal de contas, o livro por si só já é caro e a mesma editora Nova Fronteira possui uma versão “de estudante” que é menor e ainda mais desprovida de charme.

Claro que a versão chique do livro saiu, uma edição comemorativa de 50 anos (em 2006) que custava pelo menos cento e vinte reais e que durou uns três meses por aí (tiragem de dez mil exemplares). Quem viu sabe que era um pitéu, tinha o título bordado com fios soltos, capa dura, marcador de fita, isso sem falar no álbum de imagens e o DVD interativo (embora também tenha sido impressa também no maldito offset).

Pouco tempo depois, lançaram uma edição que era basicamente o mesmo projeto gráfico do meu exemplar mas com a capa que imitava a capa dura da edição de luxo. Também vinha em uma caixinha e acompanhava o álbum de imagens. Mas foi só. Um livro como esse merecia ser visualmente melhor representado, não acham?

Comentário Final: 624 páginas leves mas bem condensadas. Quebra alguns ossos.